15 novembro 2016

Ação Pedagógica na turma do 3º ano "B"

               
  Na tarde da quinta-feira dia 10/11/2016 o bolsista Germano Raran fez seu primeiro planejamento com um professor da escola para realizar uma intervenção em sala de aula. Na ocasião foi discutido sobre o que seria abordado nessa intervenção, se seria um oficina envolvendo algum conteúdo que os alunos do 3º ano já tivessem estudado, ou o conteúdo que estava sendo trabalhado pelo professor. Foi optado por ser uma aula seguindo o planejamento do professor. O conteúdo que estava sendo visto era o de Números Complexos. O professor me repassou as turmas que eu poderia fazer a ação pedagógica e a turma escolhida foi a turma do 3º ano "B". 


  Confesso que fiquei muito ansioso para a minha primeira aula pra uma turma de 3º ano, já havia ministrado uma aula para alunos de 3º ano, devido a uma disciplina da faculdade de Licenciatura em Matemática, mas era na minha própria cidade e com amigos próximos, enfim, estava na minha zona de conforto. Já esta oportunidade seria a primeira longe digamos, dos meus domínios. A ação pedagógica ocorreu no dia 14/11/2016 na parte da manhã, mais precisamente no 2º tempo de aula da escola. 

    
Foto: Iara Tudes
                  
Foto: Iara Tudes
Foto: Iara Tudes

Foto: Iara Tudes

          Fiquei muito agradecido pelo professor ter dado um pouco do seu espaço pra mim, a experiência foi incrível e só fez eu ter mais certeza de que eu realmente quero me tornar um professor de Matemática.










05 outubro 2016

Triângulo de Pascal no Tabuleiro de Damas

Nos dias 27 e 28 de setembro de 2016, foi aplicado a oficina intitulada " triângulo de pascal no tabuleiro de damas" eu bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) atuante na E.E.M. Dom José Tupinambá da Frota em Sobral - CE. Apliquei oficina onde buscava o raciocínio logico dos alunos para alcançar o objetivo. 
Foto: Germano Raran


Foto: Germano Raran

Experiência do ganhar e do perder permite que o desenvolvimento dos alunos tenha tais qualidades como:  concentração, diversão, paciência, modéstia, prudência, perseverança, autocontrole, autoconfiança, e, principalmente, a sublimação da agressividade. O jogo de damas, ensinado metodicamente, constitui um sistema de estimulação intelectual. O aluno adquire através da aprendizagem e prática deste jogo, um método de raciocínio, de organização das relações abstratas e dos elementos simbólicos. O jogo de damas foi utilizado para que o aluno visse o quanto de matemática ele poderia utilizar jogando, o objetivo era fazer com que o aluno saísse de um determinado ponto “x” até outro ponto “y” com a ideia de montar o triângulo de pascal mas além de montar o triangulo de pascal procurei mostrar ao aluno como visão de um jogador para que aquilo iria servi em uma partida, vemos que ensinando o manejo de numerosos mecanismos lógicos e contribui para o desenvolvimento de certas capacidades psíquicas e até físicas e a introdução do jogo de damas no ensino destes alunos é um elemento ideal para cultivar o pensar.

Foto: Lourenço Cordeiro

Foto: Professor
Ajudar os alunos a desenvolver a aprendizagem de maneira mais fácil e eficiente; raciocinar na busca dos meios adequados para alcançar um objetivo; exemplo vemos que se uma determinada peça está em (E, 1) com o objetivo de chegar em (D, 8) temos um labirinto de caminhos para traçar o objetivo, percebemos que se chegarmos em (E, 5) vamos ter o número 6 seguindo a ordem do triângulo de pascal no tabuleiro, os alunos chegaram no ponto principal onde foi questionar o porquê, por que aquilo ocorria. E mim indagaram, mas porque seis? E sempre vai estar lá? A resposta é sim, se seguirmos o raciocínio do exemplo vai seis caminhos diferentes, seis probabilidades diferentes a seguir onde o real interesse era fazer com o que os alunos encontrassem os caminhos para comprovar que existiam somente estes e nenhum a mais, parece ser bem simples mais cada vez que ele andava uma casa a quantidade de caminhos aumentava sendo que a dificuldade para os alunos também eles começavam se perder com tantas probabilidades, repetir caminho por isso cada um deles começou a anotar os caminhos traçados.  Notamos que o aluno tem que organizar uma variedade de elementos para uma finalidade; imaginar concretamente situações futuras próximas; prever as prováveis consequências de atos próprios e alheios e tomar decisões vinculadas à resolução de problemas. O ensino deve estruturar-se em experiências significativas que envolvam a forma integrada do pensar. O processo de ensino aprendizagem será desenvolvido a partir de experiências e do conhecimento prévio do aluno para chegar à sistematização do conhecimento.


Foto:Professor

Foto: Professor
 O jogo mostrou que os alunos na situação de grupo testam o conhecimento, o equilíbrio emocional, interage, socializa, fazendo com que ele aprenda e também trabalhe inúmeras habilidades aqui antes mencionadas. Na vida o jogo é importante e o jovem gosta de jogar, isto é evidente, mas jogar na escola é muito melhor, possibilita o envolvimento de um maior número de jovens, dando oportunidade a todos vivenciar situações diversas de jogo e parceiros. Os alunos apresentaram autoestima mais elevada, se tornam mais calmos, motivados, com uma maior concentração e mais receptividade para os conteúdos a serem aprendidos.


30 setembro 2016

Projeto Brasil x Estados Unidos: Existe Nível Ideal?

O projeto “Brasil x Estados Unidos: Existe um nível ideal?”, foi baseado em uma lista de seis exercícios, elaborada pela própria bolsista, extraídas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e da SAT (Scholastic Assessment Test), nas quais não são identificadas na lista. Foi elaborado também um questionário com três perguntas sobre a opinião dos participantes a respeito da lista anterior.

A aplicação do projeto ocorreu na tarde do dia 20 de setembro de 2016, com sete alunos dos 3º anos ‘F’ e ‘G’ do Colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota no qual a bolsista atua.

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran
No primeiro momento, foi apresentado aos alunos à proposta e o objetivo da atividade, juntamente com os resultados mencionados no decorrer deste trabalho. Em seguida, os alunos receberam a lista e deram início, individualmente, a sua resolução. Estes levaram em média 30 minutos para concluí-la.

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran
Durante a execução do projeto, o aluno não poderia contar com o auxílio de nenhum equipamento eletrônico, nem dos bolsistas que estavam presentes no momento. 

Aplicação da oficina Ensinando Probabilidade Explorando as Loterias


A oficina Ensinando Probabilidade Explorando as Loterias foi aplicada em dois encontros com dois grupos diferentes de alunos, os quais estão cursando o segundo ano do colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota, escola atendida pelo PIBID, no turno vespertino nas turmas “G” e “H”.



Os encontros foram realizados na tarde do dia 26 de agosto de 2016 das 14:00 hs às 15:30 hs e das 15:45 hs às 17:20 hs. Os alunos eram retirados de sala e transferidos para uma sala que não é utilizada no período da tarde. O primeiro e o segundo grupo, participantes da oficina, possuíam 10 e 8 alunos respectivamente.

A oficina tratava-se da realização de um simulado jogo de loteria, onde os alunos deveriam calcular a probabilidade de eles haverem ganhado de acordo com o jogo feito, que foi marcando 15 dezenas o qual em um jogo normal equivaleria a R$ 17.517,50.
Após isto os alunos comparando as chances de ganhar em um jogo de aposta com 6 e 15 dezenas, saberiam se o valor cobrado pelas loterias nas apostas era justo.
Apesar de um dos grupos possuir alunos que não conseguiam multiplicar e dividir números fracionários e, ter sido necessário uma pequena revisão os alunos obtiveram exito em seus cálculos. 


29 setembro 2016

Projeto: "Sala de Aula Invertida: uma nova metodologia para o ensino”

A bolsista Jéssica Oliveira desenvolveu um projeto intitulado: “Sala de Aula Invertida: uma nova metodologia para o ensino” com alunos do turno da manhã da turma “E” do terceiro ano do ensino médio do Colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota, localizado em Sobral, Ceará. Essa atividade se deu em dois momentos no turno da manhã na referida escola.
Primeira oficina
A aplicação do projeto teve início no dia 20 de setembro de 2016 no auditório da escola, com duração de aproximadamente 40 minutos, com 9 alunos, o que representa 20% da turma do 3º ano “E”. Primeiramente, a bolsista explicou a definição de Flipped Classroom e toda metodologia que seria utilizada nas oficinas deste projeto.
Bolsista explicando o que é Sala de Aula Invertida
Fonte Fernando Araújo
Posteriormente, realizou-se a aplicação de um questionário diagnóstico sobre Funções Polinomiais de 1º e 2º Graus, como ferramenta para avaliar o nível de conhecimento prévio dos alunos em relação ao conteúdo proposto e assim, tecer algumas comparações e conclusões.
Por fim, os alunos forma instruídos a estudar em casa o conteúdo da oficina por meio de vídeos disponibilizados na plataforma do YouTube. Para melhor interação entre bolsista e alunos ou como ferramenta de comunicação caso alguma dúvida que pudesse ocorrer após momento da oficina, foi acordado criar um grupo no WhatsApp.
Onde foram repassados os link dos vídeos, no total eram 3, e a instrução repassada foi que os alunos assistissem seguindo esta ordem: Primeiro vídeo que tem como título “Diferença entre equações e funções” do canal Khan Academy em Português; o segundo e terceiro vídeo com o professor Glaúcio Pitanga, respectivamente com os seguintes nomes ”Funções Polinomiais de 1° Grau: Formação Algébrica” e “Funções Polinomiais de 2° Grau - Resumo para o ENEM: Matemática” do canal Descomplica.
Segunda oficina
O segundo encontro foi realizado no mesmo local com 8 dos 9 alunos da primeira oficina, com duração de 60 minutos, de início foi realizado um levantamento de quantos alunos assistiram quantos vídeos e quais problemas impediram o acesso.
Em seguida, os alunos puderam expor oralmente o que aprenderam com os vídeos, bem como suas dúvidas e dificuldades durante o estudo em casa, o que provocou uma discussão entre alunos e bolsista sobre alguns empecilhos da aprendizagem do conteúdo. No momento se fez necessário uma explanação do conteúdo na lousa, usando pincel para quadro branco, então, os alunos foram convidados a responder o nono exercício da lista depois se discutiu o item correto e o porquê dos demais serem incorretos.
Alunos resolvendo tarefa sobre funções polinomiais de 1º grau
Fonte: Iara Brito
A lista de atividades para fixação foi constituído por 10 questões envolvendo o conteúdo de funções polinomiais de 1º e 2º graus, essas atividades foram retiradas de edições passadas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e vestibulares. Outro exercício resolvido foi a primeira questão da lista, como os alunos apresentaram muita dificuldade nesse item foi necessário fazer mais uma explicação sobre o conteúdo contemplado.
Bolsista explanando conteúdo na lousa para melhor compreensão dos alunos
Fonte: Iara Brito

Oficina "Produção do Mini Laboratório de Ensino de Matemática"


       Aconteceu nas tardes dos dias 16 e 27 de setembro de 2016, uma sexta e terça-feira respectivamente, a aplicação da oficina "Produção do Mini Laboratório de Ensino de Matemática" elaborada pelo bolsista Germano Raran. Logo a oficina teve dois encontros. O primeiro encontro no dia 16, abrangeu 30 alunos, sendo 10 alunos do 1º ano, 10 alunos do 2º ano e 10 alunos do 3º ano, onde os mesmo deveriam responder a um questionário sobre o laboratório de matemática, se já visitaram, o que entendiam sobre ele e outros pontos. Para termos uma melhor amostragem foi aplicado o questionário com 5 alunos de uma determinada turma de 1º e os outros 5 de outra turma e assim com as demais séries.
Foto: Iara Tudes

Foto: Iara Tudes 

             O segundo encontro aconteceu no dia 27 de setembro e foi dividido em duas partes. Na primeira foi falado sobre a importância do LEM e também sobre a dificuldade de se criar um ambiente desse porte, que vai além de apenas a falta de espaço. Já na segunda parte foi criado o nosso Laboratório. Então a ideia foi criar um Mini laboratório de Ensino de Matemática, onde este se tornou uma espécie de armário confeccionado por caixas coladas umas nas outras para formar as prateleiras onde ficaram expostos os materiais, como jogos, dvd’s com vídeos didáticos e oficinas já realizadas pelos bolsistas, com um papel com todas as instruções, caso algum professor ou aluno queira usar aquele material. O Laboratório foi revestido com papel madeira, fitas, e.v.a, tem portas e os pés feitos com latas de leite ninho.


Foto: Jéssica Oliveira

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran

Foto: Germano Raran

Foto: Karoline Freitas

Foto: Karoline Freitas

               Já no segundo encontro observou-se entre os alunos que todos acharam importante a criação desse mini laboratório e ficaram se perguntando por que não existia esse ambiente no colégio no qual estão estudando. Todos se empenharam bastante para terminar e estavam até orgulhosos por terem ajudado e serem os alunos a ter criado algo importante para a escola. 




05 setembro 2016

Jogo da Velha Com Radiciação


No dia 31 de agosto de 2016 o bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) atuantes na E.E.M. Dom José Tupinambá da Frota em Sobral - CE, aplicou-se uma oficina intitulada "jogo da velha da radiciação".


Foto: Lourenço Cordeiro 
O momento ocorreu com alguns alunos do 1º ano D, e os alunos revisaram com o bolsista os critérios de raízes quadradas e cubicas para então começar o jogo da velha da radiciação.

Foto: Lourenço Cordeiro 

A oficina funcionou exatamente igual ao Jogo da Velha normal... só que a invés de colocar "xis" e "círculo", o jogador teria que colocar as fichas que correspondem à raiz quadrada, ou seja, ele tem nas peças a raiz quadrada e na malha do tabuleiro os resultados de raiz quadrada. Na segunda etapa eles trabalharão com raiz cubica onde tiveram um pouco de dificuldade mas eles utilizando o caderno e lápis, fizeram as anotações necessárias para efetuar as contas de radiciação. Cada jogador tem exatamente as mesmas chances de jogar em todas as posições, mas ele vai definir onde jogar de acordo com suas estratégias. Mas não pode marcar a posição com a peça errada.
Foto: Lourenço Cordeiro 
Esse jogo ajudará a fixar as propriedades de radiciação, além de mostrar como a matemática pode ser divertida ao despertar a curiosidade do aluno. O jogo também melhora as relações dos alunos entre si e entre o professor.


Foto: Lourenço Cordeiro
O jogo foi bem proveitoso, os alunos gostaram e se divertiram enquanto montavam estratégias para vencer seus colegas, eles se saíam bem nas radiciações, quando geralmente eles encontram algumas dificuldades para realizá-la em atividades sala de aula.

31 agosto 2016

Apresentações de Projetos

Nas tardes do dia 17 e 25 de Agosto ocorreu no Laboratório de Informática da Matemática (LIMA) apresentações de projetos com temas variados, realizados por todos os bolsistas das escolas coordenadas pelo professor Márcio Nascimento. São elas; Colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota, E.E.M. Sinhá Sabóia, E.E.M. Monsenhor Linhares e E.E.M. Dr João Ribeiro Ramos.




Os temas apresentados foram propostos pelo próprio coordenador, onde cada bolsista pôde escolher o seu. A partir de cada tema escolhido, o bolsista teria que elaborar um projeto com uma atividade a ser realizada na escola atuante de acordo com aquele tema. 



As apresentações foram sobre os projetos elaborados, seus objetivos, metodologias, etc. 
Os temas apresentados pelos bolsistas atuantes no Colégio Estadual foram "Sala de Aula invertida: possibilidades de aplicação para o ensino médio.", "Comparativo entre o ensino de matemática no Brasil e nos EUA.", "Laboratório de Ensino de Matemática: como o PIBID pode contribuir para a construção/manutenção deste espaço escolar.", "Triângulo de Pascal: possibilidades para o ensino de matemática." e "Explorando as loterias para o ensino de matemática". Apresentados pelos bolsistas Jessica Oliveira, Karol Freitas, Germano Raran, Lourenço Cordeiro e Iara Tudes respectivamente.
O momento foi de grande aprendizado tanto na produção de atividades como na de artigos. Estes trabalhos serão inscritos no Encontro PIBID e apresentados se selecionados. Isto trará ainda mais experiência e riqueza para a vida de futuros docentes.

OPMAT "Batalha Naval no Círculo Trigonométrico"

Na quinta-feira do dia 18 de agosto aconteceu na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA),  terceiro encontro da primeira Oficina Pedagógica de Matemática (OPMAT) com o tema Batalha Naval no Círculo Trigonométrico. O momento foi conduzido pelos bolsistas da E.E.M. Sinhá Sabóia e foi dividido em dois momentos.

Foto: Márcio Nascimento
Foto: Márcio Nascimento
No primeiro momento houve uma breve explicação sobre o círculo trigonométrico, as formas como pode ser trabalhado em sala de aula, dentre outras coisas. Em seguida deu-se início a confecção do jogo com materiais de baixo custo como isopor, papel eva, algumas impressões, cola e alfinete.
Foto: Karol Freitas
Foto: Karol Freitas
Foto: Márcio Nascimento
No segundo momento houve a execução do jogo. Este era realizado em duplas, onde cada participante iria organizar suas embarcações (feitas com EVA e impressões e alfinetes) de modo que seu oponente não visse. O desafio do jogo era descobrir onde estava a embarcação do outro. Os palpites eram dados com as coordenadas do círculo trigonométrico. Por exemplo, vértice 3 ângulo 2pi; se houvesse alguma embarcação nesta marca o participante tentaria um outro palpite. Ganhava o jogo quem descobrisse a embarcação do oponente mais rápido.

Foto: Márcio Nascimento
Foto: Márcio Nascimento
O jogo é muito interessante pois pode ser trabalhado tanto com ângulos em graus como em radianos. O momento foi muito proveitoso e divertido. Pra finalizar houve também uma pequena premiação aos vencedores de cada dupla. Parabéns à Equipe!

24 agosto 2016

Minicurso "Produção de Artigos Científicos"

Aconteceu nas tardes do dia 04 e 11 de agosto, duas quintas feiras, o Minicurso de produção de artigos científicos com a professora Alessandra Sene Marins no LIMA (Laboratório de Informática da Matemática). O Minicurso era destinado aos bolsistas do coordenador Márcio Nascimento do subprojeto de Matemática. No primeiro encontro no dia 04/08 a professora iniciou-o com algumas perguntas sobre o artigo científico, e explicando sobre a "Qualis" das revistas que publicam artigos. 
Foto: Germano Raran
Logo depois foi discutido sobre os tipos de artigo científico, que podem ser: Comunicação Científica, Minicurso e Relato de Experiência. Ainda nesse primeiro falou-se também sobre as partes que se compõe um artigo, sendo elas: Título, Autores, Resumo, Palavras Chave, Introdução, Referencial Teórico, Metodologia, Análise, Considerações Finais e Referências. 
Foto: Germano Raran
Já no segundo encontro que ocorreu no dia 11/08, foi apresentado e explicado pela professora o que deve se colocar em cada uma das partes do artigos, bem como também normas e regras para a produção do mesmo.
Foto: Germano Raran
Na parte final do encontro, todos os bolsistas foram divididos em trios para dar início a um artigo científico, colocando apenas o esboço em cada uma das partes que formam o artigo.
Foto: Germano Raran